Era uma vez um guarda-chuva....


O guarda chuva é algo mágico, que serve para muito mais que nos proteger da chuva(...)


Seja num desenho, na ficção ou num terreno fértil de criatividade, o guarda-chuva guarda além da chuva, os nossos segredos e mistérios tantos, que cabem perfeitamente embaixo dele.


Você conta seus segredos para qualquer um?


Você abriga qualquer um sob seu guarda-chuva?


Bem Vindos ao My Umbrella...

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Anunciação

Ela vem chegando 
Calando meus pensamentos e me enchendo de dúvidas
Minhas inquietações acumulam-se porque neste momento sou só dela. Somos. Eu, o sol, o vento e as flores que seu cavalo esmaga.
Ela traz consigo a liberdade de ser




 Sabe aquela música que diz muito, sem dizer quase nada? 

Gosto quando vem do nada uma lembrança longínqua, de quando eu era uma menininha. Normalmente vem assim, logo depois deu acordar. Ou quando escuto um pedaço de música que traz um fio de lembrança que vai desenrolando o novelo. Quando vejo tem toda uma lembrança passando diante de mim. Sou menina de novo.

Sou menina e estou brincando em algum lugar. Na sala de uma antiga casa ou num dos quartos ensolarados da casa de minha avó no interior. Sei que tem sol e aquele mormaço quente dessas cidades. Escuto uma voz feminina cantando: "Tu vens, tu vens... Eu já escuto os seus sinais..."
Continuo entretida no brinquedo. A voz provavelmente é de minha mãe, em algum lugar da casa. A música continua, toda fora de ordem, mas eu não sei disso. Quem não toma a música para si e canta por onde lembra? Depois mistura as partes, tornando a música infinita?

"(alguma coisa que não entendo)... Tu vens chegando pra brincar no meu quintal"
Nessa hora eu paro e penso: alguém vem brincar.

"No teu cavalo peito nu, cabelo ao vento ( e mais alguma coisa que não entendo"

Imagino alguém chegando pra brincar, em cima de um cavalo. Me pergunto se é menino ou menina. Porque no interior eu já tinha visto meninos à cavalo. Mas nunca sozinhos, nunca chegando sozinhos pra brincar no quintal. Menina sozinha no cavalo, também nunca. E menina não ficaria de peito nu. 

Tempos depois, ouviria minha mãe cantarolando de novo, minha imaginação traria uma mulher chegando em cima do cavalo, de algum lugar distante, nos ventos da liberdade. Sem pedir licença, sem pudores. Como num sonho, onde a gente não se importa muito com o que os outros vão pensar. Quer melhor símbolo da liberdade que o cavalo?
Ela só vem chegando empesteando tudo com a sua presença mágica. quebrando paradigmas.

Fico pensando nos sinais. Seria o galope do cavalo? Parece mais uma coisa suave, a bruma, o vento mesmo, anunciando a chegada desse alguém. E esse mistério perduraria em cada vez que eu ouvisse essas frases.
 
Procurei essa música hoje. Descobri que é do Alceu Valença. Não é a voz dele que está nas minhas lembranças. Desconfio que também não é da Simone, que regravou a música. Procurei outras mulheres cantando e as vozes não são conhecidas. Deve ser minha mãe mesmo.


Confesso que gosto de poucas músicas nacionais, mas são muitas as que me dizem alguma coisa, me contam histórias. Tem muitas assim, de infância... De todo, não tenho preconceito com música nacional, ao contrário, acho o Samba e a MPB muito ricas... Tem músicas como essa, a Anunciação, que são simples e cheias de sentimento. Falta um pouco dessa simplicidade transbordante nas músicas internacionais... E eu não vou colocar nenhuma imagem de mulher em cima de cavalo, vai que alguém interpreta como outra coisa né. Gente clichê viu. Mas é que eu não encontrei nenhuma do jeito que eu queria.



3 comentários:

André Walker disse...

voltou a postar!

Garotinha Ruiva disse...

Sim, mas tem uns posts novos aew além deste^^

Bem vindo!

Fernando Gonçalves disse...

Olá, parabéns pelo seu blog.
Te convido a conhecer o meu,
http://carmasepalavras.blogspot.com/

;)