Era uma vez um guarda-chuva....


O guarda chuva é algo mágico, que serve para muito mais que nos proteger da chuva(...)


Seja num desenho, na ficção ou num terreno fértil de criatividade, o guarda-chuva guarda além da chuva, os nossos segredos e mistérios tantos, que cabem perfeitamente embaixo dele.


Você conta seus segredos para qualquer um?


Você abriga qualquer um sob seu guarda-chuva?


Bem Vindos ao My Umbrella...

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Dias de Chuva....

Olááá
Muito bom dia!
Está um maravilhoso dia frio e nublado, sem Sol, com diversos tons de cinza.
Não gosot de tempo assim viu, desde os 15 anos mais ou menos. Acho que acabei relacionando tempo assim com desânimo e tristeza. E ontem, voltando do curso de Inglês, meu guarda-chuva vinho (é um pequeno, e não o grandão que inspirou este blog) já quebrado, coitado, vira do avesso. Uma garoa fininha...Daquelas que me fazem ficar doente, fujo dela à todo custo, com cachecol, mas o guarda-chuva vira e me deixa na mão...Frio, noite escura sem estrelas, e eu perco o ônibus para voltar para casa..."Mas que raio de Primavera é essa??"
Por falar nisso alguns raios caíram durante a tarde. Sofro um pouco com esse tempo, pelo frio, que fica me arrepiando toda, me trazendo uma sensação similar à de medo. E claro, o céu de uma cor que não me lembra coisas alegres.
Quando eu era pequena, bom, pequena eu sou...Quando eu era mais nova, novinha mesmo, adorava este tempo frio. Ele me vinha recheado de coisas boas. Eu colocava casacos e mais casacos, até ter a sensação de que estava dentro de uma cabana, ou uma concha, e caminhava até a escola me sentindo o ser mais protegido do mundo. E não posso negar que era, com certeza, se caísse, quicaria no chão e ficaria em pé novamente...E lá ia eu para a sala de aula com um monte de blusas, os cadernos e o guarda-chuva. Tinha um prazer quando me perguntavam: "Mas vc já está aqui dentro, não está com calor?", e eu com as bochechas rosadas dizia que "Não". E não estava mesmo, poderia ficar com aquele monte de roupa tranquilamente, me sentindo dentro de um iglu...


O chocolate quente, os livros e as cobertas. Os chás de diversos sabores...As pessoas se vestindo elegantemente...E mais tarde, quando colori o cabelo pela primeira vez, aos 15 anos, 
sempre ouvia que aparentemente a cor ficava mais viva neste período. Outra coisa que e agradava era a cor branca do céu...A luz branca que empalidecia tudo ao redor e fazia o preto e o branco ganharem vários tons. E os cheiros, que ficavam mais suaves, as pessoas ficavam mais introspectivas...Esse era o clima que me agradava mais...Mas conforme o tempo passava, aparentemente esse estigma de tempo cinza e tristeza começou a perturbar-me....Foi nesta época que comecei a ouvir Nightwish, banda que viria a ser minha favorita, e eu notava que, toda vez que ouvia o CD, chovia à tarde. Era uma loucura, mas podia estar Sol, acabava chovendo. E com chuva era ruim sair, molhava tudo, é muito, muito desagradável ficar com os pés e meias molhados dentro dum sapato durante horas. Acho que fiquei traumatizada...E a partir daí, chuva à tarde significaria para mim, que o dia seria meio desastroso. Muitas coisas ocorreram estes anos todos, muitos desastres e chuvas e tristezas...Mas, em especial nos últimos 2 anos, algumas coisas ocorreram para modificar este meu pensamento. Um deles...Um dia pésimo, com chuva, demora de ônibus, lugar muito longe de casa, fome, estresse, e namorado estressado(tudo o que eu não gosto juntou-se), meus pés ensopados, muito frio. E como sofri naquele dia...Mas consegui superá-lo (com muuuuuito custo) com o amor. E também um dia que considero mágico...Não entendo o que havia acontecido, mas sei que encontrei-me com o Pedro, e tínhamos ido para a casa da avó dele, que não estava, e ele estava sem chave, estávamos discutindo, muito, por algo que nem lembro. 

O caso é que, decidi ir embora, e ele veio atrás de mim, os dois discutindo, de repente uma chuva muito forte caiu. FORTE MESMO! As gotas caíam pesadas, barulhentas, e ficamos embaixo do toldo de uma casa, para esperar melhorar um pouco, o que não adiantou muito, pois só de ter saído da casa da avó, e chegado no toldo(o que foram 3 passos no máximo), ficamos ensopados. Foi horrível, mas tão horrível que um olhou para o outro e rimos. Já vi isso em alguns filmes depois, e momentos como esse conseguem melhorar a merda toda em que nos metemos...O amor é algo miserioso, que acontece

inesperadamente, mas real...

1 comentários:

Marina L. Black disse...

Eu gosto da chuva. Apesar de mandar minha chapinha pro espaço --'
Prefiro quando está só nublado. Bem, você sabe disso x)
Fiquei imaginando você criancinha enrolada em um monte de casacos, toda feliz, óóin *-*
Huahuahuheha
Lembro quando você me contou seus traumas com chuva xD
É, talvez dias ensolarados combinem mais com você. Querendo ou não, eles têm um perfil mais "alegre e colorido", então eles são meio Gi mesmo xD
(Soou gay, não? o.õ Huahuahuha)
Mas acho que, de fato, seja entre as gotas de chuva ou os raios de sol, sempre há cenário para o romance x)